Página Inicial Facebook Twitter Instagram YouTube WebMail

UNI Global Union

Senge-MG participa de reunião com profissionais das Américas no Rio de Janeiro

Postado em: 14/11/2018

Aconteceu, nos dias 8 e 9/11, o 4º Encontro Regional das Américas da UNI, no Rio de Janeiro. Organizado pela UNI P&M (UNI Profissionais e Gerentes), o encontro contou com representantes do Brasil, Chile, Argentina e Suécia e também tem o objetivo de intercambiar experiências entre os profissionais e também de organizar uma estrutura da entidade em termos globais. “Fizemos essa discussão na Europa, mas queremos sugestões das Américas, Ásia e África, porque no ano que vem haverá uma Conferência Global de Profissionais onde definiremos o programa global e o comitê diretor”, explicou o presidente mundial da P&M (Profissionais e Gerentes) da UNI, Ulf Bengtsson. Durante a abertura, o diretor da UNI Global Union, Alex Högback, informou que o programa tem a finalidade de construir uma nova identidade, um novo programa e principalmente uma nova maneira de integração global.

Para iniciar a discussão, o diretor da Uni Américas, André Rodrigues, abriu um panorama dos cenários e das ações, especialmente sobre os desafios frente às novas relações trabalhistas e a Indústria 4.0. O anfitrião, engenheiro e presidente da Fisenge, Clovis Nascimento, falou sobre as perspectivas brasileiras e as ameaças à democracia. “Passamos há poucos dias por um duro processo eleitoral que legitimou um projeto econômico ultraliberal de retirada de direitos e antidemocrático. Precisamos nos unir de forma regional e global para a troca de experiência e de solidariedade mútua”, pontuou. Já alguns dias, o governo eleito anunciou a possível extinção do Ministério do Trabalho*, preocupação manifestada pelo diretor de relações internacionais da Fisenge, Raul Otávio: “a nova legislação trabalhista dificultou bastante os processos de negociação coletiva, especialmente entre os engenheiros, na medida que permite negociação sem a intermediação dos sindicatos. Além disso, as ações trabalhistas foram muito prejudicadas, com a possibilidade da parte perdedora pagar as custas do processo”.

Gustavo Morales, representante da CEPETEL, entidade sindical na Argentina, contou que a resistência em seu país conseguiu frear alguns retrocessos, mas o Ministério do Trabalho, que tinha mais de 70 anos de existência, foi rebaixado para o nível de Secretaria. “Também temos um grande potencial de sindicalização nas empresas de telefonia móvel, que antes não reconheciam a filiação e a cotização, que hoje é descontada no contracheque”, explicou.

No Chile, uma das particularidades se refere ao direito à greve. De acordo com Ricardo Calderón, representante da FESUC no Chile, a legislação exige a definição de serviços mínimos nas empresas. “E este é o ponto subjetivo, porque não há uma definição clara sobre o que é serviço essencial”, destacou, informando que Bachelet também tentou fazer a reforma trabalhista e existe uma cota sindical de gênero nas negociações coletivas por lei.

 

 

Mesa dos trabalhos do 4º Encontro Regional de UNI Américas P&M

 

Raul Otávio - Presidente do Senge-MG e representante da Fisenge

 

Raul Otávio - Presidente do Senge-MG

 

 

*(decisão revogada no dia 13/11 pelo presidente eleito)

Cadastre-se e receba o Senge Online, a newsletter semanal do Senge-MG.

* Nome:
* E-mail:
* Empresa:
Telefone:
Código:

NEGOCIAÇÕES COLETIVAS

|Selecione o ano:
T: 9

ACORDOS E CONVENÇÕES

SINDICATO DE ENGENHEIROS NO ESTADO DE MINAS GERAIS

Rua Araguari, 658 • Barro Preto • BH / MG
CEP: 30190-110
(31) 3271 7355 • (31) 3546 5150
sengemg@sengemg.com.br

Negociações Coletivas:
(31) 3271-7355 | E-mail: nc@sengemg.com.br
Página Inicial Facebook Twitter Instagram YouTube WebMail
2019, SENGE MG - SINDICATO DE ENGENHEIROS NO ESTADO DE MINAS GERAIS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS